Aniversariantes
Enquete

Você credita na seriedade da Conmebol?

Apuração

Carregando ... Carregando ...

Futebol está pobre fora do campo

Entendo como legítimas as manifestações de dirigentes e atletas após os jogos. Neste Grenal não concordo com os posicionamentos do Renato Carioca e  do Romildo Bolzan Júnior que fizeram afirmações sem nomear os responsáveis. Um comportamento assim apenas estimula as rixas. Pelo lado do Internacional o dirigente Roberto Melo desceu do cargo para discutir com o Renato. Se tivesse seguido a cartilha do Tite ficaria calado. O futebol anda pobre fora campo.

3 Comentários para “Futebol está pobre fora do campo”

  • Cristiano Duarte disse:

    Quando perguntado se o havia um acordo para o Grêmio tirar o pé no Grenal do Gauchão o Romildo respondeu: “Perguntem para o outro lado!”

    Ou seja, o maior mandatário do Grêmio não afastou a hipótese do seu clube ter entregue um Grenal em virtude de um acordo nos bastidores.

    Ele deveria ser o primeiro a ter negado a informação.

  • MARCELÃO disse:

    Isso além de não se fazer, ou seja, de aliviar o pé e Ter pena de adversário. E falta de respeito.com o.torcedor e com o.sócio que banca esses….deixa pra lá.
    Fidalguia só.com.quem é fidalgo.

  • Cristiano Ferreira disse:

    Não acredito que o Grêmio tenha entregado um Grenal para o Inter.

    Uma coisa é pedir para maneirar na provocação. Outra coisa é pedir para vencer o jogo e o Grêmio aceitar.

    As provocações podem fomentar a violência entre os torcedores que podem ir com o espírito de guerra.

    Perder faz parte do futebol, assim como vencer e empatar. Não é possível perder a cabeça em razão do resultado negativo.

    O Grêmio tem que ter os pés no chão e ter a ciência que possui um bom time que joga um grande futebol. É um competitivo, com capacidade de disputar o título de qualquer competição que participa.

    Não é uma equipe perfeita. Tem seus problemas e carências.

    Já venho defendendo que a direção deveria trabalhar sob dois viés: 1) foco nas competições atuais; 2)planejamento para 2019 (fortalecimento técnico do grupo);

    No primeiro ponto, manter-se na zona de classificação da LA e brigar pelo título da Libertadores. Se der para substituir jogadores agora, tente contratar alguém para suprir carência emergenciais.

    Em relação ao segundo ponto, o planejamento básico para exercício seguinte projetando o orçamento do futebol: a)jogadores que possam interessar; b) jogadores da base para serem aproveitados;c) estratégia e logística para as competições; d) jogadores que podem ser negociados; e) reposição aos jogadores que podem ser negociados; f) reavaliar o departamento médico; g) reavaliar a preparação física.

    Os dirigentes do departamento de futebol são muito fracos para tomar qualquer tipo de atitude. No futebol, quem fica perdendo tempo, acaba chupando o dedo.

    O Guerra que seria a pessoa que entende de futebol, se curva e está abaixo de Duda Kroeff, que não deveria estar no futebol. Isso significa que o nome do Guerra sofre rejeição política e o nome do Duda não.

    Em relação ao torcedor, o nome do Duda sofre rejeição, mas o nome do Guerra não. Para o CA, atende aos dois lados.

    O Grêmio tem que abrir os olhos, pois a política levou o clube à segunda divisão em duas oportunidades, assim como levou o Inter.

    Cartolas incompetentes não podem tomar o comando do clube por mera politicagem e jogo de interesses.

    Embora a situação financeira e a capacidade de investimento sejam diferentes, o Palmeiras saiu contratando antes de terminar o Brasileirão. Outros clubes fizeram o mesmo. Aconteceu também em relação aos campeonatos estaduais, antes do seu término, os clubes buscaram se movimentar.

    Dirigente que fica com os braços cruzados e de mimimi, não me serve. Tem que já ir pensando no nome do técnico substituto, caso o Renato não fique, uma hipótese possível. Não é fácil negociar com o Renato. Tudo isso os dirigentes têm que ir pensando.

    Depois, farão uma cara de surpresa e de desentendidos. Além do fato de tentar colocar a torcida contra o profissional, embora, no caso do Renato, é impossível.

Comentar

*