Aniversariantes
Enquete

Você credita na seriedade da Conmebol?

Apuração

Carregando ... Carregando ...

A claque e a cartolagem

Eu sabia que quem fosse considerado culpado pelas “babaquices” do Grenal culparia a imprensa. Os cartolas não controlam, não  comandam  seus empregados e estes dominam o ambiente. Em todas as entrevistas pós Grenal a cartolagem veio sempre depois e tanto na provocação, quanto no silêncio a inciativa foi sempre dos atletas. Os “catedráticos” ao tentar justificar a estupidez creditam os xingamentos ao estímulo da imprensa. Pobres, não são responsáveis nem pelo que dizem ou fazem. A função da claque é esta apoiar – especialmente – o indefensável.

12 Comentários para “A claque e a cartolagem”

  • MARCELÃO disse:

    Darci, o que me espanta é que durante 10 anos o.lado de lá, zombou, gozou ate não.poder mais. A imprensa dizia à época que era flauta saudável, que fazia parte da rivalidade, que o jeito do marqueteiro argentino era esse, pq ele era identificado com o clube. Entre outras ladainhas.

    Pois, bem…a roda do moinho girou e?

    Esses mesmo que em outrora achavam engraçado a galhofa do passado, hj, acham falta de respeito.

    Tem gente da imprensa acha que o torcedor e trouxa e acha que o ouvinte não saca.

    Esses da imprensa achavam que o grêmio nunca mais iria ganhar nada. Hj, eles bufam de raiva e deixam toda sua “isenção” para trás. Com as.mídias o que se fala no passado e atualizado para o presente. E qdo o ouvinte questiona os mesmos atos em.situações diferentes de tratamento para um e outro time, eles desqualificam o ouvinte, chamando de “grenalizacao”. A tal grenalizacao é a válvula de escape para tudo aqui na República do Texas.

    Abraços, Darci.

  • Darci Filho disse:

    Marcelão, tô fora. Nunca quis ser outra coisa, que não fosse “repórter” e o rádio foi generoso comigo. Hoje sou radialista, jornalista e repórter esta última uma profissão única. Eu torço por mim e como não tenho TORCIDA ORGANIZADA – me inclua fora desta -. Abraço. Ah! tem um post teu que eu não publiquei e tenho certeza que entendeste.

  • MARCELÃO disse:

    Como já referi em outro post. Tu é dá velha Guarda da imprensa. Do tempo que o profissional só sobreviveria se fosse bom! Quem pegou aquela equipe de feras da qual tua fez parte sabe o qto foi bom. Quem viveu aquela época viveu, quem não viveu, só lamento.

  • Darci Filho disse:

    Obrigado Marcelão.

  • RAFAEL FRAG disse:

    Darci, mas aí você está falando em jornalista, e no Rio Grande do Sul são poucos. Além de você, considero verdadeiros jornalistas Alex Bagé, Carlos Guimarães, Rafael Serra e no máximo mais uns dois ou três. Agora, outros menos cotados não podem ser considerados jornalistas, isso denigre a imagem do verdadeiro jornalista. Essas figuras são no máximo animadores de torcida, nada mais que isso.

  • Rafael Unger disse:

    Darci, chega de preguiça! Volta à reportagem! O nível atual está muito fraco, só perguntinha “feijão com arroz” ou então criaçãod e polemicazinhas bobas de uns guris que parecem abobados. Cria vergonha e volta a trabalhar, chega de sombra e água fresca heheheh

  • Cristiano ferreira disse:

    O que aconteceu depois do jogo do Grenal sem dúvidas foi um comportamento aceitável independentemente de quem partiu as provocações. É inegável que os jogadores do Inter provocaram os jogadores do Grêmio depois de terminada a partida.

    A imprensa não pode ser considerada culpada pelos resultados,tampouco pelas provocações entre os atletas.

    Depois da partida, veio a confusão e as entrevistas que tiraram o foco do desempenho das equipes.

    Depois, quando Rodrigo Dourado chamou o Maicon de covarde, veio o direito de resposta. O papel da imprensa é noticiar, tecer comentários, críticas e elogios.

    O que se espera é que o trabalho da imprensa seja técnico independentemente da preferência clubística que o profissional possa ter. E o que vemos em determinados grupos da imprensa é uma parcialidade que saltam os olhos.

    No lado do Inter falam o que quer e está tudo. Mas quando é o lado do Grêmio é um absurdo. É uma incitação a violência.

    Rodrigo Dourado levou uma chinelada bem dada. Foi campeão Olímpico nas costas do Luan e do Wallace e não contribuiu em nada para a campanha vitoriosa. Talvez, tenha jogado 30 minutos durante a competição.

    Essa parcialidade de alguns acontece em relação a outros Estados.

    E, no Rio Grande do Sul, alguns declarados torcedores do Inter na imprensa conseguem, às vezes, fazer uma análise mais técnica do que os não declarados.

    Há um tempo atrás, um determinado jornalista confirmou que escondeu a informação de que os salários no Inter estavam atrasados e como o momento agora é bom, ele podia falar. Mas este é torcedor declarado e sua parcialidade é compreensível, mas agiu com desídia.

    E o que surpreende é que essa informação não deveria ser exclusiva dele. Acredito que não só ele omitiu.

    Jornalista de verdade está acima da cor clubística e torce pelo sucesso do seu próprio trabalho.

    O departamento de futebol do Grêmio não tem dirigente, tem cartola. Se tivesse dirigente, vários problemas poderiam estar solucionados.

    Os problemas os quais me refiro são tão evidentes como a luz solar. Tem gente que não enxerga o próprio nariz.

    Alguém mais próximo ao Romildo, deveria avisá-lo que o Inter decaiu porque vendia um jogador por semestre sem a devida reposição e foi mantendo os mais experientes.

    Registro ainda o fato da perda da qualidade do trabalho de base, bem como aproveitamento inadequado. Posteriormente, ocorreu a perda de qualidade.

    A situação (política) se manteve no poder. E, dentro da situação, ocorreram oposições. O resultado disso foi a queda para segunda divisão.

    A consequência disso foi a perda de qualidade e a queda para a segunda divisão.

    O Grêmio tem que ter cuidado e não pensar apenas no aspecto político no clube, pois quando as coisas não andam bem, os opositores enrustidos saem do armário. E pensar no clube, é buscar a excelência do trabalho em todas as áreas.

  • Rodrigo disse:

    Marcelo, salvo engano quem protagonizou xilique neste momento foram o atleta do Gremio e o Renato. Se Dalessandro e outros realmente reclamaram e/ou pediram pra baixar a bola em outro momento ok, podemos discutir se estavam certos ou errados ao fazê-lo mas o que é certo é que não protagonizaram baderna ou chorumela como a que vimos agora.

    O que me parece é que o Renato, espertamente, usou essa história para desviar o foco do resultado do jogo e a torcida do Grêmio comprou essa narrativa em vez de cobrar time e/ou treinador pela derrota.

  • Darci Filho disse:

    Rafael, editei tua postagem e espero contar com a tua compreensão.

  • Darci Filho disse:

    Rafael, diferença é que eu tive chefes do ramo. Abraço.

  • Cristiano ferreira disse:

    Rodrigo,
    Os jogadores do Grêmio foram zoados após a partida. Os jogadores do Grêmio foram tirar satisfação, pois meses atrás estavam pedindo para não zoar. Os jogadores do Inter foram para cima e os do Grêmio também.

    E aí foi externado o fato de que os jogadores do Inter pediram arrego, fato que o Rodrigo Dourado disse desconhecer numa entrevista na qual falou que o Maicon fugiu do Grenal. E, após Dourado levar uma chinelada do Maicon, Marcelo Lomba deu entrevista reconhecendo o arrego e justificou, usando as criancinhas.

    Quando um time vence uma partida ou ganha um título, tem que comemorar. Os jogadores do Grêmio fizeram o mesmo que os jogadores do Inter sempre faziam quando ganhavam um título, mas nunca pediram arrego. Pedir arrego é coisa de perdedor. É coisa de covarde que não aguenta a pancada.

    Perder, vencer e empatar faz parte do contexto do futebol. Ainda, se o mundo não acabar até lá, teremos mais de 300 grenais pela frente.

    A confusão não fez o torcedor do Grêmio esquecer a derrota ainda mais em Grenal. Agora, a resposta do Maicon foi uma lapada que fez o menino Dourado ficar mudo, Marcelo Medeiros pedir trégua e Marcelo Lomba dar explicações.

  • MARCELÃO disse:

    Rodrigo, o que a gente refere é que durante anos o dalessandro, sasha, piffero, luigi gozaram o grêmio de todas as formas. A imprensa sempre colocou panos quentes e dizia que era assim mesmo a rivilade e era coisa saudavel. Os que achavam saudavel em.outrora, hj, acham um absurdo.
    Onde está a coerência?
    Como diz o ditado: “quem bate esquece, quem apanha, não!”

Comentar

*